sexta-feira, abril 29, 2011


Embora não seja este o objecto do Tripas e Nortadas, acho que é aqui que devo registar esta humilde opinião.

Este Porto é, seguramente, Vintage, ao contrário do de Mourinho, que me parecia mais uma equipa feita para ganhar. André Vilas Boas fez uma equipa espectáculo. Cada jogo é um hino ao futebol.

Apreciem o relato, realmente neutro, de um jogo de futebol. É o minuto a minuto descrito pelo repórter do The Guardian enviado ontem ao Dragão, para descrever aos leitores o desenrolar da partida referente às meias-finais da Liga Europa.



With the manager of Real Madrid testing out elaborate methods of being banned from football sine die, football could soon be on the lookout for a new Jose Mourinho. Oh look! Here comes one now!

Yes, it's André Villas-Boas. He's just won the Portuguese league with Mourinho's alma mater, Porto, their current record being P27, W25, D2, L0, F64, A13. His side are in the Portuguese Cup final too, as well as the semi-finals of this, having lost only two cup ties all season. He's 33 years old. He's got matinee-idol looks. He's not designed to make you feel better about yourself.

He's not that great at playing football, is about all you can pin on him. He never played professionally, only getting into the game after pestering Bobby Robson for a job at Porto in the mid 1990s.

And we're off! Porto start full of confidence, as you'd expect. Cristian Rodriguez heads a long ball on for himself down the left and hoicks a cross to the far post for Falcao. Diego Lopez hooks the ball away from the striker's head. Ten seconds had elapsed when that had happened.

2 min: Villarreal have hardly touched the ball yet.

5 min: Nilmar looks to scoot down the right wing. Alvaro finds himself in the book for a late lunge, flipping the Villarreal man high into the air.

7 min: Nilmar misses a golden opportunity to give the away side the lead. He's offside by half a yard, but nevertheless allowed to scamper free down the inside-right channel after Valero's pass. He romps into the box and decides to aim for the bottom-right corner, but Helton is wise to his game and parries the ball wide of the post. The corner is wasted. This is a very open start.

10 min: Hulk attempts to swing a free kick into the box from near the right-hand corner flag. His effort doesn't clear the first man. "Ever since the group stages last year, I've sent an email to MBM-ers in every round of the Europa League telling them that that they were all wasting their time, as Andre Villas Boas would lead Porto through a succession of effective performances to the final in Dublin," writes Declan Johnston. "Everytime I was ignored and my email not published. So tonight, I don't know what I want. If you publish this email, I stand to finally get recognition for my foresight, or I will inevitably bring a jinx on myself and Porto will lose 5-0 and I'll look very silly. I think I'll leave my fate in your hands." It's a no-win situation, though, because even if Porto win 5-0, anyone reading this will simply assume that the unpublished emails are a figment of your fecund imagination. These are cynical times. I believe you, though.

14 min: So much for that fast start. This is pretty dull all of a sudden.

17 min: The Yellow Submarine make another couple of sorties down the right through the exciting Nilmar, who both times very nearly breaks clear along his wing. Porto have enjoyed most of the ball, but created very little. Villarreal are carrying more threat of the two, the home side asking for trouble with a very high offside trap.

20 min: You're all out getting gaddered on booze tonight, aren't you. The damage Will and Kate are doing to the nation's collective liver.

23 min: Hulk takes a free kick from 30 yards out. Three rugby points.

25 min: For the nth time in this match already, Nilmar zips free down the right. He gets to the byline and cuts the ball back into the centre past Helton, but Rossi can't convert from close range, bundled out of it by three blue-and-white shirts.

27 min: Hulk is booked for simulation. Do people still use the word simulation? No. He's dived. Anyway, he was chasing a ball into the Villarreal area down the inside-left channel alongside Musacchio, who goes to slide in, then thinks better of it. Hulk doesn't notice the defender's withdrawn his leg, though, and falls over an imaginary challenge. That's a brilliant decision by the referee.

29 min: Porto are being ripped apart at will down the right. Now it's Rossi who tears clear and sees his shot-cum-cross bundled out. From the corner, Marchena attempts a shot from the edge of the area; it's fielded easily by Helton.

31 min: From a central position 25 yards out, Hulk drops a shoulder, edges to the left, then whips a low shot inches wide of Diego Lopez's right-hand post. The closest Porto have come so far, though the keeper had it covered.

34 min: Are you drinking beer? Are you drinking gin? Drinking from a glass? Or swilling from a tin? OK, I'll level with you, I'm bored. This is dismal.

36 min: This is getting old. Two more attacks for Villarreal down the right, one ending with Rossi dinking over the bar from eight yards out in the middle, another clanking off Nilmar's shin. I assume the heralded Villas-Boas is doing nothing about the glaring hole in his defence because Villarreal seem to be on a mission to cock up every chance in as many different ways as possible.

40 min: The Pedro Mendes lookalike Sapunaru cuts inside from the right and shoots wide left.

43 min: God help us.

45 min: GOD HAS HELPED US!!! Porto 0-1 Villarreal. It's been a terrible half of football, but if one team deserved to score, it was the visitors. Predictably, it's come down the right, Nilmar sauntering down the wing in acres before clipping a cross towards the near post, where Cani heads home with the greatest of ease. No defenders in this description, you'll notice.

HALF TIME: Porto 0-1 Villarreal. That Porto defence. Dear me.

And we're off again. You lucky people. "What a dull game!" cries Christoph Wagner. "Villareal deserved the goal but what was the Porto keeper doing? Awful. Yesterday wasn't particularly enjoyable to watch but this game is almost torture to watch."

46 min: Guarin has a lash from distance. The effort just about stays in the stadium. "If he is as good as many say in the intelectual interpretation of an ongoing game then Mr Boas might want to have a look at why on earth he hasn't bothered to change anything so far," writes Ben Dunn. "I'm unaware of the Portuguese for hairdryer, but he needs to avoid a Fergie bollocking and go straight for a Pleat-like analysis of why they are being over-run."

48 min: A ball's rolled straight down the inside-left channel to release Cazorla. He's free into the area, but pulls an aimless cross into the centre instead of shooting. That should have been 2-0, and Porto haven't learned a thing from the first half.

49 min: PENALTY!!! AND GOAL!!! Porto 1-1 Villarreal. Falcao chases after a ball down the inside-left channel into the away area. Diego Lopez comes out at his feet, and though he withdraws his arms, he's too late to stop the striker clattering into him. The keeper is booked - and the next thing he does is pick the ball from the net, Falcao getting up and hammering home an unstoppable effort.

51 min: Cazorla wants to hang his head in shame for missing that chance.

52 min: Nilmar races clear down the right for the umpteenth time. He Cazorlas a low cross that's bundled away by a defender, when it was surely easier to find one of three team-mates in the centre for a tap-in. Villarreal have been outstandingly profligate this evening.

54 min: It's a much better spectacle now, though. Moutinho sends a free kick from the right towards the near post, allowing Rodriguez to head powerfully wide right. That wasn't far away, and a very good effort.

58 min: Hulk takes the worst free kick in the history of All Football. With the box loaded with team-mates, he rolls a pass down the right wing where there are no blue-and-white shirts. The ball turns through 360 degrees about four or five times before being intercepted by a yellow shirt, the player half-surprised at being on the end of such a ridiculous pass.

61 min: Guarin tries to chip Diego Lopez in the Villarreal goal from 35 yards. It's not a bad effort, only just floating over the bar, but even so.

62 min: GOAL!!! Porto 2-1 Villarreal. Guarin gets his goal. He tears down the inside-right channel and into the box. He reaches the byline, checks back, and hammers a shot towards the bottom-right corner. Diego Lopez isn't gettting beaten at his near post, and parries brilliantly, but Guarin is the first to the bouncing loose ball and stoops to head home from close range. What a turnaround. To repeat Ben Dunn's question: what's the Portuguese for hairdryer?

64 min: Porto so nearly score their third straight from the restart, Rossi bundling an effort wide right. Only just wide right, too. Porto were appalling in the first half, but they're now showing the confidence of a team that's only lost twice all season. Villarreal look stunned at the way this half has developed.

67 min: A change for the Yellow Submarine: Valero is replaced by Mubarak.

67 min and a bit: GOAL!!! Porto 3-1 Villarreal. This is beginning to look like a rout. What an odd turnaround. Hulk breaks clear down the right, enters the box, and skelps a crisp cross into the centre, past the drawn Diego Lopez, for Falcao to tap into an empty net.

70 min: The difference between Porto's first-half performance and their second-half display is so marked, you'd be forgiven for wondering if Villas-Boas has been employing rope-a-dope tactics.

72 min: A subfest. Porto exchange Rodriguez for Varela, while Villarreal make two swaps: Nilmar and Cani depart, Ruben and Matilla arrive.

74 min: Catala is booked for a ludicrous lunge on Hulk. He'll miss the second leg of this. Meanwhile here's Oliver Lewis with The Gag Someone Had To Make regarding the first Villarreal substitution: "So that's where that Egyptian dictator went! Do they have room in the squad for Gadaffi?" That's that out of the way, then.

75 min: GOAL!!! Porto 4-1 Villarreal. From the resulting free kick, the ball's whipped into the Villarreal box from the right. With the away defence static, Falcao completes his hat-trick by Keith Houchening a spectacular diving header, guiding the ball deliberately into the top-right corner. That's such a lovely finish, even if the defence was all over the shop.

77 min: Porto have been simply outstanding in this half. Mind you, Villarreal appear to have totally fallen apart.

79 min: Guarin is replaced by Souza.

81 min: This stadium was almost silent for the majority of the first half. It's buzzing now, though.

83 min: Helton is booked for steaming out of his area and deliberately handling the ball under pressure from Rossi. Presumably he's not sent off because the tussle is out by the corner flag, the ball is bouncing and spinning in the cricket style, and he's falling over, thus making it look accidental. Saucy Helton, because Rossi was looking to nick away with that ball, and send it into a packed goalkeeper-free area.

85 min: James Rodriguez is Porto's final substitute, and it's Hulk he's replacing.

87 min: On Channel 5, commentary team Dave Woods and Pat Nevin are cracking gags about Fyodor Dostoyevsky. You don't get this on Soccer AM.

90 min: GOAL!!! AND FOUR FOR THE FANTASTIC FALCAO. Porto 5-1 Villarreal. From a corner on the left, Falcao meets the ball 12 yards out, level with the right-hand post, and guides the ball into the top-left corner. That's another beautifully placed header. This is some performance by the striker, and by Porto. After an opening 45 minutes of the purest tosh, too!

FULL TIME: Porto 5-1 Villarreal. On the back of this match, I think we can safely say that football is a game of two halves. There's a maxim we should look to popularise; pass it on. Anyway, that 45 minutes of outstanding attacking football should have booked Porto's berth in the Dublin final, ensuring an all Portuguese affair. As for the Spanish side, well, the best that can be said is that Riquelme's penalty miss is no longer Villarreal's biggest European semi-final choke. "The wee genius of Mr. Boas seems to have turned that round reasonably well," concedes Ben Dunn. "Looks like the pre-game plaudits were earned." They certainly were, Ben. All hail the power of André's secador de cabelo!

segunda-feira, abril 25, 2011

Reflexão de 25 de Abril


Já viram que ninguém invoca um poeta, um cantor intervencionista, ou um Capitão de Abril actual? Só há palavras de quem já partiu e não vê que este País se tornou num País de direitos e não de Direito. Agora torturam-nos sem nos prender. Um País onde todos acham que os deveres são para os demais.

Os condecorados na tradicional cerimónia, que este ano se realizou em Belém, são, como sempre, burgueses e nobres dos nossos dias.

As manifestações, que deveriam ser comemorações, são mais invocativas de 1917 do que de 1974. Portugal é um País carregado de ideólogos utópicos em busca de um ideal irreal.

Crescem as vozes contra a democracia e contra os políticos, alavancadas pelos aldrabões que nos governam, que em tempo de crise, e num dia simbólico, correm a inaugurar obra, fazendo campanha à custa do País. Provavelmente o dinheiro que gastam no aluguer de uma tenda e no combustível dos carros de todos nós que os trazem de Lisboa a Sto Tirso (Sócrates e a Ministra da Educação inauguram ali, hoje, a remodelação de uma escola), serviria para cobrir algumas despesas mais urgentes, que não são poucas.

Enquanto os políticos se acharem donos da democracia, enquanto se acharem no direito de esbanjar só porque o que esbanjam não tem impacto significativo nas contas públicas, não há verdadeira democracia em Portugal. Enquanto uns senhores acharem que, ao roubar os ricos, ou a economia, para dar a alguns que não querem fazer pela vida, ou enquanto alguns ricos acharem que não têm o dever de proporcionar oportunidades a outros, não há verdadeira liberdade.

A democracia não se apregoa contra ninguém. É por isso que me faz sempre imensa confusão esta data e as comemorações com ela relacionadas. Enquanto uns se acham donos da liberdade, outros há que parece terem medo de se mostrar neste dia. E esses outros somos muitos de nós, que apesar das muitas dificuldades, somos conotados como ricos e fascistas por muitos discursos.

Ainda há umas semanas, depois de uma viagem a Milão para aí correr a Maratona, vi num site de um amigo comentários de alguns que nos intitulavam de “…clube dos ricos que, apesar da crise, se passeia por provas internacionais”. No meu clube, Porto Runners, há advogados, médicos e engenheiros, mas também há operários fabris, empregados de mesa e funcionários autárquicos. Portugal está a tornar-se um País de inveja, onde qualquer forma de lazer se conota com desafogo financeiro, onde quem tem um carro de gama média ou mora numa zona mais nobre é imediatamente intitulado de “queque”. O sentimento de posse do português não permite que parta em busca de sonhos, faz antes com que se torne num revolucionário por inveja. Ainda há muita gente que acha que o 25 de Abril se fez para, numa directa relação e equilíbrio de forças, tirar a uns para dar a todos, como se tal fosse possível. Enquanto não disserem às pessoas que o trabalho e o esforço são a forma mais directa e justa de conseguir o que quer que seja em democracia, e não o “sacar” enquanto há distraídos, não evoluiremos como País, nem como sociedade.

Este Portugal de Abril é um amontoado de tipos barrigudos, que ao longo dos anos se bateram e continuam a bater por privilégios corporativistas e que, na esperança de manterem o discurso actual, se penduram numa geração que, deitada sobre o regaço de uma licenciatura, achava que, como antes da revolução, um canudo já dava futuro.  

Sobram aqueles que trabalharam sob promessas que se sabiam impossíveis de cumprir, e que agora, acossados pelas circunstâncias, se mantêm calados, não vá fugir o pouco que ainda nos garantem.

Acham que as oportunidades são as mesmas para todos?

Acham que todos agarram as oportunidades que se lhes deparam na vida?

Acham que todos estão dispostos ao sacrifício?

É de mim ou nos últimos 15 anos se cultivou uma sensação de que “andar ao alto” compensa?

É de mim ou é mais fácil ser apoiado para deixar a droga (o que não é criticável) do que para uma vítima de violência doméstica deixar a casa do agressor?

É de mim ou é mais fácil viver do rendimento mínimo do que do trabalho pesado?

É de mim ou as pessoas associam democracia a direitos?

Serei só eu que não acho normal que o passe social, em qualquer empresa de transportes públicos, seja ao mesmo preço para mim e para um mendigo? Ou para o Belmiro de Azevedo?

Serei só eu que não ache normal que as taxas de justiça sejam as mesmas para mim e para o Sr. Américo Amorim?

Serei só eu que não acha normal que os professores não tenham autoridade? Ou os Policias (excepto no trânsito)?

Haverá mais alguém que, como eu, ache perfeitamente normal haver ricos numa sociedade democrática? Ou que ache estranho políticos enriquecerem?

Esta sociedade que foi criada com a revolução, levou-nos a este ponto de viragem em que, ou aparece alguém com coragem suficiente para explicar que não somos todos iguais, ou então vamos seguir em queda livre, enquanto abanámos na mão o nº de beneficiário da Segurança Social.

domingo, abril 17, 2011

Narrativa de Medina Carreira

O tal “Velho do Restelo”, ou “Profeta da Desgraça”, afinal tinha razão. E desmonta por completo os argumentos do Pinócrates.

É só ler e avaliar.

Bom, dado o que está em causa é tão só o futuro dos nossos filhos e a própria sobrevivência da democracia em Portugal, não me parece exagerado perder algum tempo a desmontar a máquina de propaganda dos bandidos que se apoderaram do nosso país. Já sei que alguns de vós estão fartos de ouvir falar disto e não querem saber, que sou deprimente, etc, mas é importante perceberem que o que nos vai acontecer é, sobretudo, nossa responsabilidade porque não quisemos saber durante demasiado tempo e agora estamos com um pé dentro do abismo e já não há possibilidade de escapar.

Estou convencido que aquilo a que assistimos nos últimos dias é uma verdadeira operação militar e um crime contra a pátria (mais um). Como sabem há muito que ando nos mercados (quantos dos analistas que dizem disparates nas TVs alguma vez estiveram nos ditos mercados?) e acompanho com especial preocupação (o meu Pai diria obsessão) a situação portuguesa há vários anos. Algumas verdades inconvenientes não batem certo com a "narrativa" socialista há muito preparada e agora posta em marcha pela comunicação social como uma verdadeira operação de PsyOps, montada pelo círculo íntimo do bandido e executada pelos jornalistas e comentadores "amigos" e dependentes das prebendas do poder (quase todos infelizmente, dado o estado do "jornalismo" que temos).

Ora acredito que o plano de operações desta gente não deve andar muito longe disto:

1. Narrativa: Se Portugal aprovasse o PEC IV não haveria nenhum resgate.

Verdade: Portugal já está ligado à máquina há mais de 1 ano (O BCE todos os dias salva a banca nacional de ter que fechar as portas dando-lhe liquidez e compra obrigações Portuguesas que mais ninguém quer - senão já teriamos taxas de juro nos 20% ou mais). Ora esta situação não se podia continuar a arrastar, como é óbvio. Portugal tem que fazer o rollover de muitos milhares de milhões em dívida já daqui a umas semanas só para poder pagar salários! Sócrates sabe perfeitamente que isso é impossível e que estávamos no fim da corda. O resto é calculismo político e teatro. Como sempre fez.

2. Narrativa: Sócrates estava a defender Portugal e com ele não entrava cá o FMI.

Verdade: Portugal é que tem de se defender deste criminoso louco que levou o país para a ruína (há muito antecipada como todos sabem). A diabolização do FMI é mais uma táctica dos spin doctors de Sócrates. O FMI fará sempre parte de qualquer resgate, seja o do mecanismo do EFSF (que é o que está em vigor e foi usado pela Irlanda e pela Grécia), seja o do ESM (que está ainda em discussão entre os 27 e não se sabe quando, nem se, nem como irá ser aprovado).

3. Narrativa: Estava tudo a correr tão bem e Portugal estava fora de perigo mas vieram estes "irresponsáveis" estragar tudo.

Verdade: Perguntem aos contabilistas do BCE e da Comissão que cá estiveram a ver as contas quanto é que é o real buraco nas contas do Estado e vão cair para o lado (a seu tempo isto tudo se saberá). Alguém sinceramente fica surpreendido por descobrir que as finanças públicas estão todas marteladas e que os papéis que os socráticos enviam para Bruxelas para mostrar que são bons alunos não têm credibilidade nenhuma? E acham que lá em Bruxelas são todos parvos e não começam a desconfiar de tanto óasis em Portugal? Recordo que uma das razões pela qual a Grécia não contou com muita solidariedade alemã foi por ter martelado as contas sistematicamente, minando toda a confiança. Acham que a Goldman Sachs só fez swaps contabilísticos com Atenas? E todos sabemos que o engº relativo é um tipo rigoroso, estudioso e duma ética e honestidade à prova de bala, certo?

4. Narrativa: Os mercados castigaram Portugal devido à crise política desencadeada pela oposição. Agora, com muita pena do incansável patriota Sócrates, vem aí o resgate que seria desnecessário.

Verdade: É óbvio que os mercados não gostaram de ver o PEC chumbado (e que não tinha que ser votado, muito menos agora, mas isso leva-nos a outro ponto), mas o que eles querem saber é se a oposição vai ou não cumprir as metas acordadas à socapa por Sócrates em Bruxelas (deliberadamente feito como se fosse uma operação secreta porque esse aspecto era peça essencial da sua encenação). E já todos cá dentro e lá fora sabem que o PSD e CDS vão viabilizar as medidas de austeridade e muito mais. É impressionante como a máquina do governo conseguiu passar a mensagem lá para fora que a oposição não aceitava mais austeridade. Essa desinformação deliberada é que prejudica o país lá fora porque cria inquietação artificial sobre as metas da austeridade. Mesmo assim os mercados não tiveram nenhuma reacção intempestiva porque o que os preocupa é apenas as metas. Mais nada. O resto é folclore para consumo interno. E, tal como a queda do governo e o resgate iminente não foram surpresa para mim, também não o foram para os mercados, que já contavam com isto há muito (basta ver um gráfico dos CDS sobre Portugal nos últimos 2 anos, e especialmente nos últimos meses). Porque é que os media não dizem que a bolsa lisboeta subiu mais de 1% no dia a seguir à queda? Simples, porque não convém para a narrativa que querem vender ao nosso povo facilmente manipulável (julgam eles depois de 6 anos a fazê-lo impunemente).

Bom, há sempre mais pontos da narrativa para desmascarar mas não sei se isto é útil para alguém ou se é já óbvio para todos. E como é 5ª feira e estou a ficar irritado só a escrever sobre este assunto termino por aqui. Se quiserem que eu vá escrevendo mais digam, porque isto dá muito trabalho.

Henrique Medina Carreira.

terça-feira, abril 12, 2011

Maratona de Milão 2011

4H 14M 49S Tempo oficial.

Não foi a pensar neste tempo final que, no Sábado, cedinho, bem cedo, fui para o Aeroporto.

Depois da minha primeira experiência na distância rainha do atletismo, no Porto, em Novembro último, e desafiado pelos meus companheiros do Porto Runners, inscrevi-me na Maratona de Milão.

O facto de ser no exterior, de ser uma prova numa cidade com um clima ameno, mesmo fresco na Primavera, levou-me a pensar que, com treino, poderia baixar das 4 horas de tempo final.

Cheguei ao Aeroporto, encontro o grupo da equipa Douro Azul, animados com é apanágio. Passo pela segurança, chego à porta de embarque e, já sentados à espera da hora de saída, o Mesquita e o Carlos Rocha. Saudações, conversas futebolísticas e eis que chega o grosso do nosso pelotão. Todos animados saltamos para o laranja voador.

Conversas animadas, troca de experiências, expectativas e, acima de tudo, boa disposição de todos.

Chegados a Milão, depois de uma viagem de autocarro de 50 kms, o nosso maior obstáculo mostrava toda a sua imponência: 33º!

Uma semana antes, todos comentávamos que, os esperados 22º eram um exagero, que a baixa humidade relativa, combinada com o calor, levaria a que o esforço despendido tivesse que ser superior, etc. e tal, e eis que se confirmavam os nossos temores.

Sem deixar de passar pela fantástica nave principal da Estação Central de Milão, fomos em busca de um sítio para almoçar. Distribuídos pelas mesas disponíveis, rapidamente devorámos massa e pizza para repor energia, recarregar e voltar ao caminho.

Enquanto alguns foram de metro para o hotel, eu e mais os Jotas (de João: Meixedo, Morais, Freitas e Vieira) acompanhados de um outro companheiro de viagem português que conhecêramos no avião, fomos a caminhar debaixo daquele calor de matar. Guiados por uma bússola de um Iphone, lá fomos caminhando pelas ruas e avenidas de Milão até ao nosso destino. Pelo meio, uma incursão por uma das imensas gelatarias de Milão, onde encontrámos iguarias suficientes para nos baixar a temperatura.

Chegados ao hotel, surpresa: Algumas reservas não existiam. Confusão instalada. Telefonemas, mais telefonemas, boa vontade e lá se arranjou solução.

Entretanto, eram quase 18h. Tínhamos ainda que ir levantar os dorsais e eu, que estava ainda a 4 estações de metro de distância do meu hotel, ainda tinha que ir fazer o check-in. O Vasco Batista lá se disponibilizou para levantar o meu kit da maratona, e assim, fiz-me ao caminho, prometendo regressar às 20h, depois de uma refrescadela.

Depois de um agradável jantar na Via Dante, lá fomos todos descansar o esqueleto de um estafante dia, que já ia bem longo.  

6h. Saltei com o ti-ri-ri-ri do Nokia, sempre irritante. Saltei ainda mais com ten-ten-ten do Blackberry. É curioso como, quando queremos muito estar a horas em qualquer lugar, até levamos mais que um despertador…

Primeira contrariedade, o pequeno-almoço só seria servido depois das 7h30. Impossível esperar. Era arriscado, não dava para ir ter com o resto do pessoal, como combinado, e estar a horas na partida, que era um pouco distante.

Cheguei ao Genius hotel, para deixar a minha bagagem, já que, como regressava ao Porto nessa noite, fiz o check-out do meu hotel, às 7h15. O João Meixedo disponibilizou o quarto para o banho depois da prova e para ali deixar a mala, mas quando bati à porta, já lá não estava. Desci e deixei-a na recepção, na esperança que ali estivesse quando regressasse.

Entretanto acumulava erros e lapsos. Não tinha tomado pequeno-almoço, tinha bebido pouca água na véspera, caminhado sob um sol abrasador, e descansado pouco devido ao excessivo calor.

Enquanto esperava pelo metro que me levaria a Rho para a partida, comi o que tinha: 3 barras de cereais e um gel que vinha no kit da maratona e dizia ser indicado para esforços prolongados, desde que consumido entre 1 a 2 horas antes. Enfim…

Chegado à partida, primeira alegria: água! Bebi 2 garrafas e levei outra na mão. Primeira preocupação: Tinha deixado os protectores dos mamilos no hotel. Toca a procurar, junto com a malta do Douro Azul, que me acompanhara na viagem até ali, alguém com vaselina ou pensos. Nada! Só latas e boiões de vaselina vazios. Já imaginava o quanto iria sofrer com o tecido a roçar, começar a sangrar, e com a água… Ufff! O peito a arder é horrível. Acho que é pior que uma cãibra. Enfim, em busca de alguém que me salvasse, encontro, finalmente, o Carlos Rocha. Com o ar mais desesperado do mundo enquanto o via deixar o saco com os seus pertences, no camião que os recolhe e leva para a chegada, ouvi-o dizer que não tinha nem pensos nem qualquer creme protector. Espera, diz-me. O Pedro é capaz de ter. E tinha. Uns milagrosos pensos para calos da compeed (merecem a publicidade) doados pelo Pedro Viana.

Fiz-me à partida. Com um tempo de maratona fraco, fui colocado na parte de trás do pelotão. Demorei uns 3 minutos até cruzar a partida.

Mais um erro: Depois de arrancar, vejo uns tipos com uns balões na cabeça que diziam 4h45. Nem pensar, disse para mim mesmo, tenho que ir em busca do das 4h. Vi mais balões à frente, fui passando balões, 4h30, 4h15… Não vi mais nenhum. Vou muito lento, pensei. Ali vou eu a acelerar (palerma), cruzo-me com o João Vieira (excelente estreia) e o João Mota Freitas que o acompanhava, pergunto para que tempo correm, dizem-me sem expectativas de tempo, que queriam apenas chegar ao fim, o tempo final é o corolário dessa vontade. Ok, pensei. Ou ficas e tens companhia, ou então fazes o que já te disseram muitas vezes, vai no teu passo, não exageres, nem fiques, nem aceleres, mantém um passo. Olho para o Garmin, vejo que estava mais próximo dos 6/Km, decidi ir atrás dos balões das 4h. Disse-lhes, prevendo um desfecho fatal, que ia indo e eles apanhavam-me mais à frente.

Um pouco antes da incursão pelo centro histórico da cidade, onde nos cruzávamos com atletas que tinham, seguramente, mais 3 ou 4 kms que nós, cruzo-me com muitos colegas de equipa, com um cumprimento especial ao Meixedo. Ia bem, como sempre. Mais um grupo de runners, entre eles o nosso presidente, todos em excelente ritmo.

Junto à Catedral de Milão, a nossa claque. Nunca falham no apoio. Que bem que soube aquele banho de reconhecimento, a nossa camisola é uma responsabilidade, que nos é recompensada pelo carinho e força transmitido por todos.

Até ao Km 30 corri num ritmo consistente entre os 5 minutos e 20/Km e os 5’45. Mesmo a parar momentaneamente em todos os abastecimentos para beber isostar e carregar uma garrafa de água, consegui, até ao km 30 manter um ritmo consistente. Nos 5 kms seguintes oscilei entre os 6’ e os 6’30, já depois de ter enjoado completamente ao gel, fruta e isostar. Antes, no abastecimento dos 30 kms o João Vieira e o João Freitas passaram por mim, deram-me força, e eu tentei, mas as pernas…

Abrandei, andei a passo, pensei em tudo e mais alguma coisa. Vejo um espanhol cheio de cãibras, todo esticado, fico com ele uns instantes, estico-lhe os pés, dou-lhe uma esponja com água e digo-lhe que aquilo não é lugar para desistir. Lembro-me de repente da Jangada de Pedra do Saramago, agarro no Jimenez e ali fomos os dois amparados nas fraquezas de um e do outro. Foram uns arrastados 5 kms a 7, 7’30. O espanhol definitivamente ficou no chão, agarrado à perna, ao km 40. Eu segui com duas garrafas de água nas mãos. Fui passando gente, ganhando forças sei lá onde, e acabei debaixo daquele sol escaldante com um sprint de 1 km a 6’11, o 42º, e mais 600 metros a 5’32. Foi um final à Porto Runner.

Melhorei o meu tempo nos 42,195 km em 14 minutos, não conseguindo, contudo, baixar das desejadas 4h. Mas 4 anos apenas depois dos 134kg, correr uma maratona com uma média de 5’58/Km, não deixa de ser motivo de orgulho.

Dos 4025 atletas que iniciaram a prova, 3403 chegaram à meta. Fiquei em 2372º lugar da geral, acham mau?

Um obrigado a todos os que me ajudaram na preparação para esta empreitada. Não fico por aqui. Vou continuar, porque a corrida já faz parte da minha vida.

O Porto Runners é já o meu clube. A todos vós um muito obrigado por me terem recebido de braços abertos. 

sexta-feira, abril 08, 2011


Todos nós temos desafios que colocámos a nós próprios. Desafios de mudança, ou de conquista, desafios que nos levam em busca de realização pessoal.
Há uns anos atrás, não sonhava sequer em conseguir fazer um jogo de futsal sem cair para o lado no fim, mas, depois de muita luta e sacrifício lá cheguei ao fim numa distância que não é fácil de concluir, nem para os profissionais.
Amanhã, mais uma vez, parto em busca da realização de mais uma empreitada de 42,195 km. Vou, com um alargado grupo de atletas do clube onde corro (Porto Runners), participar na Maratona de Milão. Espero apenas acabar.
Entretanto, aqui fica um artigo referente aos meus, digámos, miseros kapabites de fama.

Rui Pinho- Já pesou 134 Kgs, hoje corre maratonas

quarta-feira, abril 06, 2011

Dia D

Agora que o homem pediu apoio financeiro à União Europeia, admitiu que a situação era insustentável, será que agora vai, finalmente, admitir que as políticas seguidas foram erradas? Não me parece.

Os banqueiros vieram gritar vivas, não ao FMI, mas ao alívio.

Infelizmente o Zé povinho, enganado por um esquizofrénico da imagem, acha e está convencido, que, se não viesse o FMI, o Sócrates podia continuar o regabofe, e que, com um esforcito, a malta tinha aumentos e dinheiro para gastar já ao virar da esquina.

Os partidos mais à esquerda continuam a falar de um mundo que já acabou na década de 80, depois da queda do muro.

Entretanto, enquanto aguardava que as Tv’s entrassem em directo, o Primeiro Ministro demissionário fazia uma figura triste, transmitida pela TVI por acidente, mas que demonstra bem o político preocupado com o País que é José Sócrates. Os grandes estadistas têm este tipo de atitudes. Infelizmente, os exemplos de grandes estadistas para este Sr. são o Berlusconi e o Sarkozy…

Enfim, um dia decisivo para o nosso futuro, e o peneirento, a pedir a um colaborador para ver qual o melhor ângulo para o show…

terça-feira, abril 05, 2011

Este País não é para moinas!

Vejo um Sr. muito bem vestido, com botões de punho reluzentes, a dizer que Portugal precisa de um empréstimo urgente, que estanque a subida das taxas de juro da dívida pública.

Espanta-me esta onda dos banqueiros. Agora que acabou a concessão de créditos e negócios chorudos a 50 e 60 anos, as famosas parcerias público privadas (PPP’s), que nos vão levar grande parte dos recursos nas próximas décadas, hipotecando assim o País, choram lágrimas de crocodilo, como se não tivessem culpas no cartório.

Sempre votei desde que tenho cartão de eleitor. Não sou daqueles que acha que os Bancos não passam de associações de índole criminosa, com cobertura do estado. Parece-me que são essenciais ao desenvolvimento económico, que podem e devem alavancar as economias, fazendo apostas sãs, que promovam aquele investimento que traz riqueza. Não se devem envolver em negócios de especulação, como não se envolveram em demasia, caso contrário teriam tido o mesmo fim dos bancos irlandeses.

Chateia-me ouvir tudo o que é militante de extrema esquerda, que vive à custa do capitalismo, marchar contra este, como se fosse a fonte de todos os males. Não é.

Deveríamos ter em Portugal um partido de esquerda, entre o PS e o PC. Um partido que assumisse como normal este sistema (europeísta, a favor da moeda única) mas que lutasse contra os lobbies instituídos. Há sempre esperança quando se perfila uma nova liderança ao centro, mas os partidos do arco governativo deixam-se envolver pelos poderosos lobbies, distribuindo pelos que não têm as poucas migalhas que caem dos bolos que devoram.

Somos um País de moinas. Gravita tudo à volta do Estado.

Mal aparece alguém a lutar contra esses lobbies, há uma autêntica guerra de informação e contra-informação, alimentada por quem tem o poder neste País, como aconteceu nas últimas legislativas entre o Publico e o DN.

Por muito que queiram os partidos mais à esquerda, Portugal não sobrevive sem bancos, nem pode, de forma alguma, continuar a alimentar de subsídios quase tudo o que não é rentável nem quase todos os moinas deste País.

Desde que, no “reinado” de Guterres, o famoso diálogo começou a distribuir subsídios, tendo-se multiplicado as associações de tudo e todos bem como as fundações (chamadas S.A.) em busca de benefícios, proliferaram os moinas.

Temos que os mandar às malvas, é o que os bancos estão a fazer.

Mas moinas maiores que eles…

Foram os únicos que tiveram recursos para se segurarem. Pagaram a grandes escritórios de advogados (moinas!) para blindar tudo o que contratualizaram com o Estado.

Agora, das duas uma. Ou vota tudo à esquerda e eles estouram com o que ainda há cá de capital e nos albanizamos, ou quem ganhar as próximas eleições tem túbaros suficientes para lhes dizer que esperem ou então que renegoceiem. É a minha esperança.

Ide moinar ao caraças!

sexta-feira, abril 01, 2011


F de feitos num oito. De fo****s. De fomos enganados, completamente enganados. Fomos levados a crer que, se o Estado gastasse muito, se se desdobrassem as empresas publicas em várias empresas mais pequenas integradas em grupos empresariais, que teriam cargos para distribuir e divida para dividir.

F de famintos pelo poder. Tudo ao pote. Uns agora outros lá metidos. Os ex-presidentes de câmaras municipais foram metidos em cargos de chefia da administração publica, em institutos públicos e outros promovidos a Governadores civis.

F de falidos. Nós. O futuro.

F de formados. Uns ao Domingo, ou com imensas cadeiras que julgam, somadas, serem equivalentes a um curso superior, outros arduamente, com esforço, dos próprios, dos pais.

F de foras da lei. Todos os que foram ao pote.

M de merda. Que foi como deixaram o País. Nunca as finanças publicas estiveram tão mal.

M de marginais de colarinho branco. Que só se distinguem dos outros pelo poder económico, que de recurso em recurso, pago com o nosso dinheiro, voam até às absolvições escandalosas.

M de maçonaria. Maçonaria que está representada em larga escala no bloco central, principalmente no PS, e que em nome de ideais de alguns, destroem o País de todos. Maçonaria das Fundações, que cabia perfeitamente na letra anterior, mas que não passam de Fundações S.A., fachadas de lavagem de dinheiro com fins nebulosos.

I de insucesso. O caminho do bom aluno da Europa foi afinal um caminho Inglório.

I de inveja, de invejosos, de gente irritada com o facto tão humano de outros pensarem diferente.

I de insegurança. Portugal está a saque. A criminalidade aumenta a olhos vistos. Homens que sequestram e espancam a mulher têm como medida de coação uma distância mínima da vitima de 150 metros! Podem quase morar na mesma casa…

I de irresponsabilidade. Ninguém é responsável, ninguém quer responsabilidade por nada, nem ninguém está disponível a assumir quota de participação no caminho que foi seguido.

I de idiotas. Porque todos somos responsáveis pelo caminho que seguimos, uns por participação, outros por omissão.

I de imperativo. É imperativo mudar, e é imperativo injectar capital e capital de confiança neste País. E se os únicos que nos derem tempo forem os Sr.s do FMI, acho que é melhor do que o cobrador do fraque. Porque o default é semelhante ao Incómodo de ter um cobrador “à perna”: Vergonhoso.